Avaliação preliminar da floresta urbana na região da Pinheira, Palhoça – SC, Brasil

Vladimir Stolzenberg Torres

Abstract


Como regra geral, tem-se que a vegetação urbana se constitua de espécies que, seguindo conceitos clássicos, sejam consideradas como nativas e/ou exóticas, embora esta questão deva ser considerada irrelevante no âmbito de um ecossistema artificial. Com isto, o estudo inventariou as espécies ocorrentes em áreas privativas, no centro urbano da Pinheira, município de Palhoça (SC), identificando espécies arbóreas aí presentes suas interrelações. Foram, então, inventariados duzentos e cinquenta e dois indivíduos, compreendendo sessenta morfoespécies, compreendendo vinte e oito famílias, sendo a mais representativa Arecaceae com oito morfoespécies, seguida de Myrtaceae e Fabaceae, respectivamente com sete e seis morfoespécies. O Coeficiente de Mistura de Jentsch, usado para expressar a composição florística medindo a intensidade de mistura das espécies, gerou um quociente de 0,2381 ou 1:4,2, ou seja, existem, matematicamente, em termos médios quatro indivíduos de cada espécie. Ao realizar a ocupação do espaço geográfico, com isto gerando o processo urbano, o ser humano traz consigo novas espécies vegetais que antes não existiam, sequer na região, com isto criando paisagens – “florestas humanas” – que pouco ou nada se assemelham a paisagem natural e original da região!

Palavras-chave: Floresta urbana; Inventário florístico; Arborização urbana.

 

As a general rule, urban vegetation has to be species that, according to classical concepts, are considered as native and / or exotic, although this issue should be considered irrelevant within an artificial ecosystem. Thus, the study inventoried the species that occur in private areas, in the urban center of Pinheira, Palhoça (SC) county, identifying tree species present there their interrelations. Two hundred and fifty-two individuals, comprising sixty morphospecies, twenty-eight families, were inventoried, the most representative being Arecaceae with eight morphospecies, followed by Myrtaceae and Fabaceae, respectively with seven and six morphospecies. The Jentsch Mixing Coefficient, used to express the floristic composition by measuring the mixing intensity of the species, generated a quotient of 0.2381 or 1:4.2, there are mathematically four individuals of each species on average. By realizing the occupation of geographical space, thus generating the urban process, the human being brings with him new plant species that did not exist before, even in the region, thereby creating landscapes - “human forests” - that little or nothing resemble the landscape natural and original of the region!

Keywords: Urban forest; Floristic inventory; Urban afforestation.

 


Full Text: PDF

Refbacks

  • There are currently no refbacks.